Panoramapp! A virtual Panorama Experience

Abstract
Since the great popularity of smartphones and tablets, many applications have been developed to create digital panoramas. However, its
focus is turned for the seamless of the pictures and not what we can explore and understand of its different subjects. This article intends
to investigate the use of a new concept of an app for digital panoramas. We assume that Panoramapp! can broaden the understanding
the history of the cities by its panoramas and panoramic views, an alternative way to develop an iconographic hyper document of the
central area of the city of Rio de Janeiro.

O Panorama sequencial: um passeio virtual pela Rua da Carioca no Rio de Janeiro nos séculos XIX-XX

ABSTRACT
This article intends to investigate the possibilities of digital representation of Carioca Street in the Rio de Janeiro of 19th Century
by a promenade of digital panoramas through the observator’s eye experience. To do this, it is necessary to develop 3d models
and digital panoramas of the old city, based in a historical maps, and compare the panoramas of nowadays offered by the street
view of the Google earth. We belive that in this way we can see architectural changes in Carioca Street at the same time which
we can experience the old street again.

Panoramas Multi-Layer e computação Gráfica: Uma “outra” interpretação para a História Urbana

Abstract — This article intends to investigate the use of a
Panorama Multi-Layer as an alternative tool to broaden the
understanding of cities’ modifications. We assume that a
Panorama Multi-Layer can convey unusual interpretations that
could identify significant changes in special areas of cities over
time. The hyper document comprises several interactive
panoramas; each one of them is a historical layer of the city.
Cylindrical panoramas, maps and hotspots compose the interface
and all these elements are interactively combined through
multimedia authoring software. This paper aims to demonstrate
new possibilities with digital and interactive panoramas, and a new
way to understand changes in a central area within the city of Rio
de Janeiro.

O Setor Histórico de Curitiba na construção da imagem da ‘cidade-modelo’ de Curitiba

RESUMO
O presente artigo é parte da pesquisa de dissertação que analisa a estratégia de preservação dos bens arquitetônicos de Curitiba e o vínculo desta ao projeto de “cidade-modelo”, desenvolvido a partir da década de 1970 e persistido por cerca de quatro décadas. O objetivo é compreender a
construção da noção de patrimônio em Curitiba, através da identificação dos conceitos e valores que guiaram este processo para que se possa contribuir socialmente para reflexão dos futuros processos de reconhecimento do patrimônio e para a resistência às iniciativas com fins unicamente econômicos. A hipótese levantada é que as estratégias patrimoniais desenvolvidas, entre os anos de 1970 e 2010, caracterizaram-se como instrumento fundamental na construção da imagem da “cidade-modelo” de Curitiba. A verificação dessa hipótese consiste na análise dos referenciais internacionais e nacionais que construíram as noções de patrimônio que incidem sobre as escalas locais, influenciando a prática da preservação das cidades. O estudo da implementação destes padrões globais em Curitiba é desenvolvido através da análise das legislações e práticas que compuseram a estratégia patrimonial com enfoque nas décadas de 1970 e 1990, que concentram as principais intervenções patrimoniais e do projeto de cidade
desenvolvido. Assim, este artigo aborda a criação do Setor Histórico de Curitiba como importante instrumento do projeto de “cidade-modelo”.
Palavras Chave: Curitiba; “cidade-modelo”, imagem da cidade, política patrimonial.

O Panorama Multimídia: ferramenta para o desenvolvimento na disciplina de projeto

Multimedia Panorama: tool for the development of the design discipline
This article intends to investigate the use of Multimedia-Panorama as a tool within the design studios in schools of architecture. We
assume that Multimedia-Panorama can bring signifi cant contributions to design studios. It can follow all design process stages:
the recognition and analysis of the site and surrounding landscape; the organization of references; the fi rst idea and its conception;
the development of the project; and its fi nal presentation. The strenght of panoramas in design studios is particularly enhanced by
interactivity. This paper aims to demonstrate new possibilities in the association of panorama’s space recognition characteristic to
the architecture design process.

The Panorama-salon: the Google Cardboard of 19th century

This article is related to the research “The immersive experience in 360°: investigation, representation and digital immersion in the city of Rio de Janeiro in the 19th and 20th centuries”, developed in the FAU-UFRJ. The present work will (re)think the Panorama in ‘old-new’ and ‘new-old’ views: Panorama-salon’s Patent versus Google Cardboard Virtual Reality Glasses. The Panorama-salon was the first optical device created to represent an immersive experience in the 360° format. Patented by Auguste Nicolas Nepveu, the central aim was to miniaturize the complex pictorial-spatial system presented in the Panoramas’rotundas, making the experience portable, more popular and accessible. Two hundred years later, Google Cardboard, a Virtual Reality
device developed by Google, uses the smartphone as a stereoscopic viewer. The device consists in a specific application to project the smartphone’s screen in stereoscopy. It uses a pair of lenses and a box, where the lenses are assembled with the mobile phone. This work will investigate these systems of immersive experiences, unquestionably similar, but also very different, in
order to analyze the esthetics of portable immersive experience. Thus, 1:1 scale models of Panorama-salon and Google Cardboard will be built, with Rio de Janeiro’s Panorama, the original engraving in Nepveu’s patent, as the basis for this exploration.

The Panorama of Rio de Janeiro by Victor Meirelles and Henri Langerock: Part1 – A City Memory’s Representation or a City’s Invention?

This essay is related to the research project “The immersive experience in 360°: investigation, representation and digital immersion in the city of Rio de Janeiro in the 19th and 20th centuries”, developed at PROUB in FAU-UFRJ, Rio de Janeiro/Brazil. This work will investigate this Panorama of Rio de Janeiro looking for memories and historical truths in its context: Which part represents a historical point of view? Which part is invention? How were the city and its landscape represented on the canvas? And specifically, were the remaining studies made from one single point of view? This is the most well-known Rio de Janeiro’s panorama, which project was idealized by the Brazilian
painter Victor Meirelles de Lima (1832-1903) with the Belgian photo-painter Henri Charles Langerock (1830-1915). The Panorama was exhibited in Brussels 1888, Paris 1889, and Rio de Janeiro 1891-1896, with great recognition in all these cities. This paper will investigate this Panorama, its initial studies, its landscape and the architecture depicted, newspapers descriptions of its exhibitions, and mainly, distinguishing among memories, historical truths and verisimilitudes. In order to achieve this, digital and analogical systems of representations, sketches and computer graphics techniques will be established, specially, tridimensional models will be developed and applied.

O Ministério da Educação e Saúde Pública (1935‐1945): As inovações climáticas e tecnológicas

São escassos os livros e os ensaios sobre o edifício do Ministério da Educação e Saúde Pública (MESP) que aprofundam as suas inovações de adequação climática e tecnológicas, com exceção do estudo da autora norte-americana Elisabeth D. Harris e do professor Oscar Corbella, que detalham a significação e a utilidade dos brise-soleil. Em geral, as análises aprofundam o caráter inédito da tipologia arquitetônica para a sede de um edifício público, e as qualidades urbanas, formais e espaciais que o colocam entre as primeiras obras importantes do Movimento Moderno no Brasil e na América Latina.
No entanto, o edifício contém uma série de contribuições tanto no seu condicionamento ambiental quanto nas infra-estruturas técnicas que não eram difundidas nos edifícios de escritórios construídos no Rio de Janeiro na década dos anos trinta, e menos ainda nos prédios públicos construídos pelo governo Vargas. Nesse sentido, destaca-se o desenho da estrutura de concreto armado, elaborada pelo engenheiro Emílio Baumgart. Para eliminar a presença de vigas no interior dos espaços de escritórios, permitir a continuidade dos ambientes e a possibilidade de organizar as funções na planta livre, foi utilizado um sistema de lajes tipo piltz-decken com os cogumelos de suporte invertidos e absorvidos na espessura da laje de 30cm, que também permitia a inserção das tubulações horizontais da instalação elétrica. Ao mesmo tempo, os pilares modulados foram recuados e separados da fachada, o que permitia a imagem leve do volume principal. A adequação climática do edifício ao seu sítio é o tema mais conhecido, em particular pela utilização dos brise-soleil cobrindo a totalidade da fachada, desenvolvidos por Le Corbusier, mas que nunca tinham aparecido em uma fachada de um edifício daquele porte. Tampouco tinha sido executada uma fachada totalmente envidraçada – a curtain wall – posteriormente desenvolvida nos edifícios de escritórios nos Estados Unidos, que permitia a ventilação natural cruzada no interior, evitando assim o uso do incipiente ar condicionado, somente presente no pavimento do Ministro. Além disso, a contribuição mais original do projeto foi o desenho do sistema elétrico, telefônico e da
iluminação artificial, baseados em uma modulação de 1.50m x 1.50m, que cobria todo o pavimento, permitindo a livre disposição dos funcionários. Para garantir tal versatilidade, foi criado um sistema de distribuição baseado na presença de pequenas caixas metálicas associadas aos corrimãos, que corriam ao longo das fachadas, com a localização dos fios em seu interior. Para obter uma iluminação artificial homogênea foram colocadas luminárias de origem inglesa, no teto de cada andar que criavam uma luz uniforme, já que não existiam paredes divisórias que chegavam até o teto, conservando-se a unidade do espaço contínuo. Em função das características ligadas ao conforto ambiental e ao uso de soluções tecnológicas inovadoras, pode-se afirmar que o edifício do MESP, à época de sua inauguração na década de quarenta, foi o mais moderno edifício de escritórios do Rio de Janeiro e do Brasil.

Representação do espaço urbano significado em interfaces digitais

Há diferentes aspectos do espaço urbano que simplesmente não são
cobertos de modo adequado pelas estruturas de documentação baseadas na forma geométrica dos objetos. Ainda que esse tipo de documentação permaneça importante,uma reflexão crítica sobre seu emprego nas atividades de apresentação e interpretação da história e do patrimônio permite elaborar alternativas capazes de incluir aspectos simbólicos e mesmo subjetivos do espaço que são essenciais para a caracterização do lugar e para a transmissão dos valores patrimoniais.
O conceito de patrimônio, confrontado ao de história, aponta justamente para
a necessidade caracterizar o espaço patrimonial como essencialmente simbólico. Esse espaço é regido por códigos de comportamento que, ao condicionarem e incentivarem as possíveis ações, instituem um território e fomentam a criação subjetiva (e emocional) do lugar. É pela incorporação dessas regras que o visitante deixa de ser simplesmente informado da história e passa a ficar emocionalmente envolvido com o patrimônio.
Reside nessas restrições, portanto, a possibilidade de caracterização dos
espaços digitais. O ponto fundamental é a própria interface do aplicativo, ao definir, através das suas regras de manipulação do espaço digital representado, as características essenciais desse espaço. Exemplos de interfaces especificamente desenhadas para a representação de espaços simbólicos são encontrados na maioria dos jogos eletrônicos – e são de especial interesse aqueles que não dependem da visualização do ponto de vista do observador em tempo real, justamente por indicarem que o fotorrealismo de uma cena não é necessariamente o elemento mais importante para a imersão que resulta no engajamento do usuário com o ambiente digital. Este trabalho oferece um panorama conceitual sobre o tema, apontando para exemplos de aplicativos.

Palavras-chave: patrimônio virtual; jogos.

A cidade como interface em jogos urbanos

Contemporary cities scanned by GPS machines are continually redefined by collaborative comments. New kinds of games such as location-based games, urban hunting games and even alternate reality games show a different way of using and understanding the city. This article analyses these different interactive narratives of games that use the city as a platform for devices and
applications sensitive to geographic location. The objective is to identify some of these practices that are appropriate to create applications for the dissemination of information about architecture and heritage, using buildings, events and places to enhance the knowledge about the city.

KEYWORDS: ; realidade aumentada, jogos baseados em locação; patrimônio virtual